quarta-feira, outubro 27, 2004

As GOP’s e o Sistema Estatístico

As Grandes Opções do Plano 2005, no capítulo da Descentralização, são elucidativas. Vejamos três exemplos:
1. Elaboração de uma proposta de estrutura e de conteúdos para os cursos de promoção dos bombeiros municipais – pág. II 57;
2. Prosseguimento da conclusão do projecto em curso da série cartográfica 1/10.000 – pág. II 57 (nota: há uma década que a administração central prossegue na perseguição dessa conclusão);
3. Prosseguimento do projecto relativo ao Sistema Nacional do Cadastro Predial – pág. II 57 (nota: há várias décadas que a administração central persegue a conclusão deste projecto).

Com tais opções de Descentralização não espanta que, no capítulo seguinte, relativo ao Sistema Estatístico, a primeira medida seja:
Reforço da concentração funcional e geográfica – pág. II 63;
Mas a medida seguinte é mais espantosa:
Rejuvenescimento dos quadros do INE – pág. II 63;

E o espanto não é tanto pela grandiosidade das medidas: consta que há muitos bombeiros e que o cadastro levará mais 30 anos! O espanto deve-se ao facto de o INE, no período 2003-2004, não ter renovado nenhum dos contratos a termo (os que abrangiam os técnicos jovens). Assim, uma vez que não se prevê a diminuição da idade da reforma, cremos estar perante uma GOP – Grande Operação Plástica (facelift, liposuction, buttock, ...)

Não resisto a citar a ironia de João César das Neves:
“O sucesso da asneira
Portugal fez tudo errado, mas correu tudo bem. Esta é a conclusão de um relatório internacional recente sobre o desenvolvimento português. Havia até agora no mundo países desenvolvidos, subdesenvolvidos e em vias de desenvolvimento. Mas acabou de ser criada uma nova categoria: os países que não deveriam ser desenvolvidos. Trata-se de regiões que fizeram tudo o que podiam para estragar o seu processo de desenvolvimento e... falharam. Hoje são países industrializados e modernos, mas por engano.”

E pedir que rezem , como fez ontem o Prof. Cavaco Silva, para Portugal não passar para uma nova categoria: a dos países que fizeram tudo o que podiam para estragar o seu processo de desenvolvimento e... acertaram.

1 Comentários:

At 3 de novembro de 2004 às 09:50, Anonymous Anónimo Comentou...

É um espanto!!rejuvenescimento dos quadros do INE...
então os que já lá estavam e a quem não foi renovado o contrato, eram incompetentes?
Se calhar não tinham vindo da universidade "certa"...se calhar não tinham cartão de filiados no psd...
Porventura ter-se-ão esquecido que um estatistico não nasce nas arvores,qualquer novo funcionário necessitará de pelo menos 2 anos para estar cabalmente dentro de qualquer matéria.
é só esbanjar dinheiro e regredir na qualidade do sistema estatistico.Ninguém percebe muito bem o que vai nas cabeças (mal) pensantes deste país!!

 

Enviar um comentário

<< Página Inicial